© Vera Marmelo
Norberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas não são o trio mais provável, pelo que a possibilidade de ouvir as suas expressões fluviais desaguar no mesmo oceano sonoro é uma delícia por si só. Falamos de um ecossistema em que os rendilhados bucólicos de Lobo, as notas de pesos vários de Franco, e a desenvoltura melódica de Pernadas coabitam harmoniosamente. Uma possibilidade que se reveste de êxtase e expectativa e parte de três entidades familiares, mas se forma numa nova terra, noutro hemisfério sónico.

Em Montanhas Azuis há o contraste entre o que representa a cor e o calor que ela transmite, uma tensão entre binómios que surge em “Ilha de Plástico”, título que serve de convite a um disco composto maioritariamente por instrumentos analógicos, das guitarras aos sintetizadores. O tom azul descreve o calor e a rugosidade das expressões dos três músicos, como a intensidade da luz de uma estrela, e paralelamente deixa-nos antever as melodias frias, abandonadas em improvisações, que se ouvem invariavelmente no disco. Bem-vindos à “Ilha de Plástico”, o novo continente sonoro de Norberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas.​​​​​​​
*os horários dos eventos estão sujeitos a alterações tendo em conta a atualização das medidas de contingência face à COVID-19
Back to Top